Estudos sugerem possibilidade da Covid-19 causar Diabetes Mellitus.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, no dia 17 /06 /2020, estavam registrados no mundo 8.061.550 casos confirmados e 440.290 mortes por Covid-19. A pandemia de coronavirus (SARS-CoV2) está causando uma elevada mortalidade, os elevados números de infecções, hospitalizações e mortes são geralmente associados a idade avançada e também a doenças pré-existentes como diabetes mellitus (DM), hipertensão, obesidade, as quais de modo geral estão associados e levam a um risco
cardiovascular.
Inúmeros estudos em todo o mundo buscam estabelecer os mecanismos pelos quais a diabetes modula as respostas vírus-hospedeiro e respostas imunes dos hospedeiros, por exemplo, Cado e colaboradores 2020, estabeleceram um possível mecanismo pelo qual o SARS-CoV2 é mais agressivo em diabéticos não controlados, até o momento juntando
diferentes informações de diferentes pesquisas chega-se a hipótese de 5 mecanismos potenciais, que atuam em conjunto e aumentam a suscetibilidade a casos mais graves de Covid-19 em pacientes com DM: 1) maior afinidade na ligação celular e entrada eficiente do vírus, 2) diminuição da depuração viral (“limpeza do vírus do organismo”),
3) diminuição da função das células T ( fazem a defesa do organismo contra agentes desconhecidos como vírus e bactérias) 4) aumento da suscetibilidade à hiperinflamação e tempestade de citocinas 5) presença de DCV (doença cardiovascular). No entanto ainda se tem muito que pesquisar e muitas lacunas a serem preenchidas no que diz respeito a infecção e a doença causada pelo coronavirus.
Enquanto parece que a gravidade da Covid-19 está fortemente associada a presença da diabetes mellitus, alguns especialistas defendem que além disso a infecção por coronavirus também pode levar ao desenvolvimento dessa doença, ou seja, existe uma relação bidirecional. Ainda não se tem evidências científicas de que o SARS-CoV2 atue presentaram quadros característicos de diabetes, como maiores índices de glicemia de jejum e diabetes de início agudo foram mais comumente relatadas entre pacientes com pneumonia causada por coronavirus 1 causador da Síndrome Respiratória Aguda (SARS) do que entre os com pneumonia não
causada pelo causador da SARS, no entanto ainda não se sabe se isso foi devido a um quadro pré-existente ou que se desenvolveu durante a infecção e se isso se aplica ao SARS-CoV2, mas tais afirmações são plausíveis tendo em vista que o coronavirus se liga aos receptores da enzima conversora de angiotensina 2 (ACE2), que estão presentes em vários órgãos e tecidos metabólicos, como células beta pancreáticas (produtoras de insulina), células do tecido adiposo, intestino delgado e rins, sendo
assim, pode ser que a ligação do vírus ao receptor para invadir a célula leve a modificações que podem afetar e alterar o metabolismo da glicose nesses locais e complicar a fisiopatologia da diabetes preexistente assim como levar a novos mecanismos da doença.
Essas observações fornecem suporte para uma hipótese de um possível efeito diabetogênico do SARS-CoV2, no entanto pouco de sabe sobre isso e é de extrema necessidade pesquisar mais a respeito para poder afirmar se isso realmente ocorre, diante disso, um grupo internacional de pesquisadores líderes em diabetes participantes do Projeto CoviDIAB estabeleceu um registro global de pacientes com diabetes relacionado ao coronavirus, afim de rastrear esses casos e estabelecer essa relação, esse
registro também será expandido tendo como objetivo investigar características epidemiológicas e a patogênese da diabetes relacionada a Covid-19, assim sendo possível obter melhores pistas sobre cuidados adequados para pacientes durante a após a
infecção por SARS-CoV-2. Além disso, iniciativas assim são de grande importância no momento em que a sociedade vive, pois através disso, podem ser feitas pesquisas e investigações a cerca tanto da doença causada, de doenças subsequentes e do agente causador, como também se ter um perfil dos infectados.


Fontes: Cado, A. C. e colaboradores. Submetido e em revisão na revista Cell Metabolism, em 21 de maio de 2020.
Disponível em: https://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=3606770
Organização Mundial da Saúde.
Disponível em: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=6101:covi
d19&Itemid=875

Carta https://www.nejm.org/doi/10.1056/NEJMc2018688
Muniyappa R e colaboradores. Publicado na Revista American Journal of Physiology Endocrinology and Metabolism, de março de 2020.
Disponível em: https://journals.physiology.org/doi/full/10.1152/ajpendo.00124.2020


Enviado por: Danieli Monteiro Pillar, Aluna do curso de Farmácia-UFSM, Aluna de Iniciação Científica no Laboratório de Biogenômica e Bolsista FAPERGS.
Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/2981912754714259

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

10 + 8 =