Imunoterapias em estudo para cura da Covid-19

É sabido que o coranavirus (SARS-CoV2) agente causador da Covid-19, não ativa apenas respostas imunes antivirais, mas também respostas inflamatórias descontroladas, as quais se caracterizam por uma acentuada liberação de citocinas pró-inflamatórias (mediadores), que levam a diferentes respostas nos pacientes. Essas anormalidades imunológicas induzidas pelo SARS-CoV2 parecem influenciar na patogenia (modo de origem e evolução) da doença. Assim, considerar essas informações é de grande relevância na busca por alternativas farmacêuticas para tratamento e /ou prevenção da Covid-19.

Com base nos conhecimentos que se têm até o momento sobre evolução da covid-19 sobre o sistema imune e sabendo que tratamentos com antivirais, glicocorticoides e imunoglobulinas, por enquanto, não demostraram uma melhora na sobrevida dos pacientes graves de Covid-19, muitas pesquisas estão sendo realizadas com medicamentos capazes de atuar de alguma forma no manejo da anormalidades do sistema imune induzidas pelo SARS-CoV2. Abaixo de forma breve serão abordadas essas terapias:

#Terapia Baseada em Células NK: foi aprovada e está sendo empregada na China, parece contribuir para a defesa viral e melhora a resposta imune, as células NK, são células que fazem compõe o sistema imune, são chamadas de “exterminadoras naturais” importantes na defesa antiviral e antitumoral;

#Imunomoduladores: São substâncias que afetam o sistema imunológico, são capazes de o “moldarem”, assim parecem ser promissores frente à Covid-19, por exemplo,  o Interferon alfa (IFN-alfa) 2a e 2b pequilado (usado para o tratamento hepatite B e C) está sendo testado juntamente com a Ribavirina frente a pacientes com Covid-19, para avaliar sua capacidade de estimular respostas antivirais em infectados com SARS-CoV2;

# Terapia por plasma convalescente: plasma convalescente é aquele extraído de pacientes que já tiveram a infecção viral e se recuperaram, essa terapia se mostrou eficaz, pois parece que os anticorpos presentes nesse plasma são capazes de evitar a viremia (presença do vírus no sangue) no novo paciente infectado, no entanto essa terapia necessita de ambiente hospitalar, além disso a transfusão de plasma pode levar a algumas reações adversas nos pacientes como febre, reações alérgicas e em casos mais graves até risco a vida;

# Células-tronco mesenquimais (CTM): estudos com CTM estão sendo realizados, os resultados preliminares apontam que o transplante desse tipo celular pode ser eficaz para aliviar a imunopatologia relacionada ao coronavirus, visto que essa células apresentam autorenovação, são capazes de se defender da tempestade de citocinas induzida pelo vírus, assim como podem reparar danos das células epiteliais pulmonares (mais afetadas pela pneumonia gerada pela Covid-19), no entanto muito ainda se precisa pesquisar a respeito e  estudos estão sendo conduzidos;

#Células T reguladoras: considerando que os eventos mais graves da Covid-19 ocorram em função de uma desregulação no sistema imune e um descontrole na inibição da inflamação, as principais células envolvidas nesse processo são os linfócitos T, especificamente os T reguladores (T reg) tanto TCD4+ quanto TC8+, a imunoterapia com essas células já é utilizada em algumas doenças crônicas e também no tratamento do câncer, sendo assim uma terapia envolvendo esse tipo celular pode ser bastante promissora no contexto da Covid-19, a mesma está sendo desenvolvida e consiste em células Treg capazes de superar a disfunção imunológica, este estudo ainda está na fase pré-clínica (não foi realizado em pacientes) apresentou resultados positivos, mas ainda há muito o que pesquisar;

#Purificação do Sangue: visa remover toxinas e resíduos do sangue para tratar doenças. Parece ser eficaz na prevenção da tempestade de citocinas em pacientes graves e críticos para Covid-19, nos quais o governo chinês autorizou a realização desse procedimento.

# Bloqueio da Sinalização de IL-6: considerando a IL-6 como um fator importante para a indução da tempestade de citocinas e para a resposta inflamatória hiperativa, bloquear a sinalização dessa via pode ser uma alternativa promissora para o tratamento de casos mais graves, foram realizados ensaios-clínicos na China com o Tocilizumabe (anticorpo humanizado anti-receptor da IL-6, usado no tratamento da artrite reumatóide e artrite idiopática juvenil) os resultados mostraram que ele foi capaz de reduzir rapidamente a febre e melhorou a função respiratória de pacientes graves para Covid-19, atualmente ele está aprovado para  tratamento desses pacientes na China. Além disso, também na China, está em andamento um estudo com Sarilumab (anticorpo monoclonal totalmente humanizado que inibe a via de sinalização da IL-6) para avaliar sua segurança e eficácia em pacientes adultos com complicações sérias por Covid-19; Estas são algumas das  imunoterapias que estão em estudo para o tratamento da Covid-19, as aqui relatadas contam com resultados parciais e muito ainda se precisa pesquisar e estudar a respeito, mas essas descobertas já são grandes avanços na ciência e na corrida contra o tempo na busca de um tratamento eficaz e quem sabe uma cura.

Fontes: Yang L.. e colaboradores. Publicado na Revista Nature em 25 de julho de 2020.
Disponível em: https://www.nature.com/articles/s41392-020-00243-2

Enviado por: Danieli Monteiro Pillar, Aluna do curso de Farmácia-UFSM, Aluna de Iniciação Científica no Laboratório de Biogenômica e Bolsista FAPERGS.
Currículo Lattes:  http://lattes.cnpq.br/2981912754714259

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezessete + 3 =