Coronavírus: Um vírus misterioso?

O aparecimento do novo coronavírus levou a diferentes hipóteses sobre como ele surgiu e onde surgiu? Isto fez com os que cientistas se intrigassem e avaliassem as possibilidades dentro do entorno do contexto pandemia. No dia 09 de fevereiro, em uma coletiva de imprensa em Wuhan – cidade palco da pandemia, na China, membros da equipe da Organização Mundial da Saúde (OMS) trouxeram a público uma série de conclusões, após investigarem a origem do vírus por 30 dias. Os pesquisadores descartaram amplamente a teoria controversa de que o vírus teria sido “criado” em laboratório e assim, espalhado.

Para eles, o vírus provavelmente foi transmitido de pessoa para pessoa, a partir de um animal intermediário. Esta hipótese vem sendo sustentada há bastante tempo por um grande grupo de especialistas e estudiosos do assunto. Mesmo com essa a hipótese principal, a equipe também ofereceu duas outras presunções promovidas fortemente pelo governo chinês: Onde, o vírus ou seu “ancestral” teria sido transportado por outro animal, que não nativo chinês e assim, a origem não seria no país; Além de que, uma vez que o vírus é transmitido de pessoa pra pessoa, este poderia estar em animais selvagens congelados e embalados a frios exportados, do qual o comércio local é bastante sustentado.

 Grande parte desta investigação se concentrou nos primeiros dias de surto (dezembro de 2019), onde os casos de “pneumonia viral” começaram a serem relatados e ocorreram a primeiras infecções identificadas. Uma minuciosa revisão dos registros de saúde na cidade e na província foi realizada, em busca de flutuações incomuns em doenças semelhantes à influenza e infecções respiratórias graves, além de um levantamento de compras de medicamentos para resfriado e tosse no mesmo período; Cerca de 4.500 amostras de pacientes foram testadas de forma retrospectiva para o RNA viral SARS-CoV-2, e assim analisou-se a relação dos anticorpos contra o vírus. 

Com base nessas análises, embora limitada, os pesquisadores não encontraram evidências de que o vírus estava circulando na cidade antes de dezembro de 2019. A teoria da origem animal parece ser a mais convincente, mas, eles ainda não identificaram o tipo de animal que poderia ter transmitido o vírus às pessoas. Petrovsky, um dos pesquisadores diz que as descobertas da transmissão animal podem conter uma lição importante, quando: “Se esta pandemia foi devido a um evento de transmissão natural, então podemos esperar várias outras transmissões de coronavírus semelhantes do mesmo animal hospedeiro para humanos, nos próximos anos”.

A OMS tem por objetivo ampliar a busca pela origem do vírus além da China, o qual é altamente justificado, especialmente devido aos novos relatórios de coronavírus intimamente relacionados ao SARS-CoV-2 encontrados em morcegos no Japão, Camboja e Tailândia. Em um estudo publicado na Nature Communications em 9 de fevereiro, os cientistas relatam ter encontrado um novo coronavírus, que chamaram de RacCS203, em morcegos (Rhinolophus acuminatus ) capturados em uma caverna no leste da Tailândia em junho. O vírus compartilha 91,5% de seu genoma com o SARS-CoV-2. Embora não seja o mais próximo conhecido em relação ao vírus pandêmico, a descoberta mostra que vírus intimamente relacionados estão circulando atualmente no sudeste da Ásia. 

De fato, muitas lacunas e dúvidas nos restam, dificultando um consenso ou, uma provação para além das hipóteses, assim, nos resta aguardar e torcer para que haja o entendimento da transmissibilidade do vírus e com isso, aprendermos a conter e/ou evitar ouras pandemias.

Fontes: Mallapaty e colaboradores. Artigo publicado na revista Nature em Fevereiro de 2021.
Disponível em: https://www.nature.com/articles/d41586-021-00375-7

Wacharapluesadee e colaborades. Artigo publicado na revista Nature Commun em Fevereiro de 2021.
Disponível em: https://www.nature.com/articles/s41467-021-21240-1

Enviado por: Msc. Bárbara Osmarin Turra – Doutoranda em Farmacologia- UFSM
Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/3529685763828545

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × 4 =