Vacina contra COVID-19: Com 40% da população vacinada Israel tem queda nas infecções

Israel tem liderado o mundo na corrida para vacinar a população contra o vírus SARS-Cov-2. Até o presente momento, o país já vacinou 40% de toda sua população e cerca de 90% dos indivíduos com 60 anos ou mais já receberam a primeira dose da vacina de duas doses da Pfizer – BioNTech. 

                Dados fornecidos pelo Ministério da Saúde de Israel indicam que a vacina, está ajudando a reduzir a infecção e a hospitalização por Covid-19 entre a população idosa. Cerca de 6 semanas após o início da vacinação em pessoas com 60 anos ou mais, houve uma queda de 41% nas infecções confirmadas pelo coronavírus na população que se encontra nessa faixa etária e uma redução de 31% nas hospitalizações por Covid-19. Já entre as pessoas que possuem 59 anos ou menos, apenas 30% recebeu a vacina e houve somente uma redução de 12% nas infecções pelo vírus e de 5% nas hospitalizações.

                Contudo não se pode deixar de mencionar que, em janeiro, o governo do país impôs um bloqueio nacional para tentar conter a disseminação do vírus e essa ação também pode ter impactado na redução do número de casos da Covid-19. Alguns cientistas não acreditam que a contenção das infecções tenha acontecido somente pelo bloqueio, visto que esse perfil de redução não foi observado no lockdown realizado em setembro no país. Além disso, estudiosos do Weizmann Institute of Science, que analisaram os dados do governo, acreditam que a vacinação dos idosos contribuiu muito mais que o bloqueio para a redução da hospitalização e infecção pelo vírus, pois as quedas foram maiores e aconteceram mais cedo que o previsto nessa faixa etária do que entre os mais jovens.

                Pesquisadores de Israel esperavam observar os impactos positivos da vacina algumas semanas antes, no entanto, o momento de distribuição da vacina coincidiu com a chegada das variantes B.1.1.7 e 501.V2 do vírus SARS-Cov-2 no país. Parte da população começou a acreditar que a vacina não estava surtindo efeito, contudo algumas semanas depois foi possível verificar a queda no número de casos e de hospitalizações por Covid-19 entre os indivíduos idosos, justamente o grupo em que a maioria já está vacinado.

                O que todos os países ao redor do mundo esperam, inclusive Israel, são os efeitos indiretos da vacinação, que consiste no controle da disseminação do vírus para que as pessoas que não podem ser vacinadas estejam protegidas. No entanto, essa parece ser uma tarefa árdua, visto que, mesmo com 40% da população de Israel vacinada, ainda não há indícios de que as pessoas que não receberam a vacina estejam sendo protegidas por aquelas que já receberam. Cientistas israelenses afirmam que será necessário imunizar bem mais que um terço da população para que seja possível verificar uma redução na disseminação do vírus SARS-CoV-2.

                Dessa forma, apesar da vacinação em Israel estar, aparentemente, reduzindo o número de casos e de hospitalizações por Covid-19 entre as faixas etárias que já foram vacinadas, os cientistas ainda não podem garantir que essa queda aconteceu apenas em função da vacina. Ainda não está claro o quanto o bloqueio instituído pelo governo e as políticas de isolamento social impactaram nesses resultados. Essas informações preliminares indicam, que certamente as vacinas estão começando a surtir efeito no país e que o impacto ainda precisa ser quantificado.                

Fonte: Smriti Mallapaty. Artigo publicado na Revista Nature em 05 de fevereiro de 2020.

Disponível em: https://www.nature.com/articles/d41586-021-00316-4

Enviado por: Carolina Rodrigues de Freitas – UFSM Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/3517267337571320

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

onze − 6 =