Composto natural presente em plantas pode inibir o crescimento de Meduloblastoma infantil

As neoplasias do Sistema Nervoso Central (SNC) são consideradas o segundo tipo mais frequente de câncer em crianças e adolescentes. Além da alta taxa de mortalidade, as sequelas causadas pelo tratamento e pelo câncer, resultam em elevada mortalidade infantil.

O meduloblastoma, é um câncer originado no cerebelo, é um dos tumores cerebrais malignos mais comuns na infância, sendo responsável por 20% dos tumores do SNC. O meduloblastoma é considerado um câncer altamente invasivo, classificado como grau IV pela Organização Mundial da Saúde (OMS),onde em crianças com menor de 3 anos o seu prognóstico é desfavorável, devido as altas taxas de mortalidade. Em adultos, a incidência é baixa, de 0,5 a 1%.

Os sintomas incluem déficits motores importantes ataxia (movimentos descoordenados), distúrbios da marcha, hipertensão craniana, cefaleia e vômitos matinais, com o avançar da doença os sintomas motores se intensificam.

Na investigação por tratamentos, Cientistas do Reino Unido buscaram encontrar uma forma de inibir o crescimento das células cancerígenas do meduloblastoma.

O estudo em questão utilizou o hexafosfato de inositol (IP6), que é um composto natural encontrado na aveia, trigo, arroz, milho e legumes, já reconhecido por combater a produção de radicais livres no organismo, um dos princiapis causadores internos de alterações nos nossos genes.

O estudo foi publicado na revista científica Nature Communications, e mostrou que o IP6, pode inibir o meduloblastoma e ainda ser combinado com a quimioterapia, mostrando-se eficaz.

O estudo na fase pré-clínica (antes ser aplicado em seres humanos), usou amostras de tecidos humanos e camundongos. Os cientistas partiram da ideia de ocorrer ou não a  adaptação das células cancerígenas, tendo em vista o controle do próprio crescimento através de modificações dentro da célula,  mas não na estrutura do DNA. Toda célula normal é capaz de ligar e desligar genes específicos para controlar o próprio crescimento. No câncer, esse processo acaba sendo modificado, levando a aumentar o processo de crescimento do câncer, onde  a maioria de células são disfuncionais, ou seja, não atuam corretamente como deveriam, um exemplo são células cancerigenas osseas , onde deixam os ossos suceptiveis a quebras, por mais que tenham aumento em número.

No meduloblastoma os cientistas já sabiam que uma proteina esta envlvida nesta disfunção da célula, sendo ela a BMI1, ela esta presente em niveis elevados em pessoas com meduloblastoma, sendo assim relacionadas ao aumento anormal do crescimento destas células cancerigenas, além aumento desta proteina outra proteina encontrava-se em niveis baixos sendo ela a CHD7(Chromodomain-Helicase-DNA-binding protein 7).  Após as análises, a equipe de cientistas reverteu estas disfunções em ambas proteínas, usando a suplementação do IP6, principalmente controlando os altos níveis da proteína BMI1. Pode-se concluir que diminuindo os níveis de BMl1 e aumentando os de CHD7 através do IP6, e quando associando com a quimioterapia, o número de células cancerígenas deste tipo de câncer foi reduzido drasticamente, podendo o IP6 ser um potencial controle junto a quimioterapia para o medublastoma

Fonte: Badodi et al.  Artigo publicado no Nature Communication, em abril de 2021.
Disponível em: https://www.nature.com/articles/s41467-021-22379-7

Enviado por: MSc. Thamara Graziela Flores. Fisioterapeuta , Doutoranda em Farmacologia Universidade Federal de Santa Maria
Currículo Lattes:  http://lattes.cnpq.br/1885218080678884

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × 1 =