Terceira dose da vacina contra Covid-19? O que os estudos dizem sobre isso

Na última quarta-feira, em 25 de agosto de 2021, o Ministério da Saúde divulgou o reforço da vacina contra a Covid-19 para idosos acima de 70 anos que completaram o ciclo vacinal há 6 meses e pessoas imunossuprimidos que tomaram a segunda dose (ou dose única) há pelo menos 28 dias. Além desse reforço, foi divulgado também redução do intervalo entre as doses da Pfizer e Oxford-AstraZeneca de 12 para 8 semanas. A nova estratégia de imunização é baseada em informação de diversos estudos que avaliam o aumento da eficácia da vacinação, utilizando esquemas mistos de vacinas.  Mas então, é possível combinar vacinas diferentes?

Um estudo conduzido pela Universidade de Oxford avaliou a imunogenicidade, ou seja, a capacidade de uma substância provocar uma resposta imune em um esquema misto de vacinas. Nessa pesquisa, foi testado a combinação de vacina de vetor adenoviral, como é o caso da Oxford-AstraZeneca com outra vacina de mRNA, como é o caso da Pfizer em um intervalo de 4 semanas em 830 participantes adultos com 50 anos ou mais, incluindo aqueles com comorbidades controladas.

Os resultados mostraram que a combinação de diferente vacinas induziriam altas concentrações de anticorpos contra o SARS-CoV2 quando administrados em um intervalo de 4 semanas. Esses anticorpos produzidos com a associação das vacinas é superior ao esquema padrão da vacinação, onde são utilizados apenas um tipo de vacina nas duas doses e, ainda maiores quando é utilizado como reforço após o cronograma de duas doses de vacinas com vetor adenoviral (Oxford-AstraZeneca) ou de mRNA (Pfizer).

Dessa maneira, a pesquisa demonstra que esquemas mistos de vacinação podem ser usados ​​contra COVID-19, aumentando a imunidade contra o SARS-CoV2, principalmente quando utilizados como dose de reforço, ou seja, após as duas doses do esquema vacinal padrão ou dose única, principalmente na população de risco (idosos e imunossuprimidos).

Fonte: Liu, Xinxue; Shaw, Robert H.; Stuart, Arabella; et al.  Safety and Immunogenicity Report from the Com-COV Study – a Single-Blind Randomised Non-Inferiority Trial Comparing Heterologous And Homologous Prime-Boost Schedules with An Adenoviral Vectored and mRNA COVID-19 Vaccine. Estudo publicado no The Lancet em 25 de junho de 2021.
Disponível em: http://dx.doi.org/10.2139/ssrn.3874014

Enviado por: Andressa Moura Hoppen, nutricionista, acadêmica do curso de Medicina da UFSM e aluna de iniciação científica do Laboratório de Biogenômica.
Currículo lattes: http://lattes.cnpq.br/2163772109026664

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

catorze − doze =